R.I.P. Chuck Berry (1926-2017)


“Se você quisesse dar outro nome para Rock ‘n’ Roll, você poderia chamar de Chuck Berry”, disse John Lennon.
Essa frase não define mas dá uma boa ideia da importância de Charles Edward Anderson Berry, ou simplesmente Chuck Berry, não só para o rock mas para tudo o que veio depois do surgimento dele na cena artística norte americana com a gravação de "Maybellene", em 1955.


Influenciado por Nat King Cole, Louis Jordan, Muddy Waters e Bill Haley, e começou a tocar numa gravadora chamada Chess Records com o pianista Johnnie Johnson, o baixista Willie Dixon e o baterista Fred Below.
Entre suas canções mais icônicas estão "Roll Over Beethoven", "Sweet Little Sixteen", "Route 66", "Memphis, Tennessee", “You Can Never Tell” e o hino "Johnny B. Goode" (que tem a mais famosa introdução de guitarra da história do rock).


Berry exerceu grande influência sobre bandas e cantores que são referência no universo rock'n'roll tais como: Elvis Presley, The Animals, The Kinks, The Yardbirds, The Beatles, Rolling Stones, Led Zeppelin, Deep Purple, The Doors, Eric Clapton e Jimmy Hendrix.
Certa vez o rolling stone Keith Richards, na apresentação de Berry como premiado no Hall da Fama do Rock, em 1986, declarou ao público: "É difícil para mim apresentar Chuck Berry, porque eu copiei todos os acordes que ele já tocou até hoje."


O legado de Chuck Berry ultrapassa as fronteiras do rock'n'roll e exerceu também grande influência sobre a soul music e até sobre a country music.
Sua importância aliás ultrapassa os limites do planeta e do sistema solar. A a NASA lançou em 1977 a missão Voyager I, onde incluiu um disco para explicar os sons da Terra a outras formas de vida inteligente que por ventura tivessem contato com a nave. Nesse disco  há registros sonoros de fenômenos naturais como trovões, cantos de pássaros, ondas do mar  e a música “Johnny B. Goode".


Chuck Berry morreu aos 90 anos no dia 18 de março de 2017, pouco tempo depois de anunciado o lançamento de seu novo álbum, o primeiro em 38 anos, com canções inéditas.


0 comentários: